A comunicação com os funcionários continuará sendo uma poderosa ferramenta de gestão.

As facilidades que a tecnologia nos traz estão cada vez mais acessíveis e continuarão em alta no ano de 2017. Isso não é nenhuma novidade para a área da comunicação empresarial, porém, algumas considerações são importantes nesse universo incrível que invade o mundo corporativo, fazendo com que hierarquias inteiras se reorganizem para dar conta de tendências aparentemente avassaladoras.

O que podemos esperar da comunicação interna em 2017?

Com certeza um aumento no uso de imagens e vídeos e uma redução significativa de textos longos e informativos sem graça. A era digital é muito dinâmica e demanda de formatos e linguagens que passem a informação de forma imediata e com muitos apelos visuais. Chega de chatice.

Segmentar o público continua sendo importante.

As empresas devem se atentar de que existem públicos internos muito distintos ao elaborar seu plano de comunicação interna. Sendo assim, muitas vezes se torna inviável transmitir o mesmo conteúdo, a mesma mensagem com o mesmo formato para áreas muito diversas de uma empresa.

Na maioria dos casos os interesses e a dinâmica entre esses públicos são muito diferentes. Por isso, é essencial entender que públicos diferentes precisam receber informações relevantes de acordo com o seu papel na empresa, utilizando a linguagem mais adequada.

A comunicação interna vai se tornar cada vez mais Multiplataforma.

Já sabemos que canais isolados raramente funcionam. Uma única plataforma de comunicação não é suficiente, afinal, cada colaborador tem a sua preferida. É necessário aumentar os pontos de contato. É importante também ter a consciência de que algumas mensagens precisam de meios específicos para potencializar seus efeitos. É por isso que uma abordagem multicanal, que utiliza os pontos fortes de cada meio, deve fazer parte da sua rotina. Independentemente do tamanho e do segmento da empresa, é essencial utilizar as ferramentas certas para uma comunicação interna eficaz.

Uma tendência muito importante e diria até insubstituível são as rodas de diálogo do tipo “Café com o Presidente”, que continuarão em alta. As empresas vão descobrindo por pressão cada vez maior da sociedade e das crises que são e serão sempre empresas de comunicação e essa espiral começa pelo diálogo entre lideranças e times de trabalho. Líderes que ainda têm dificuldade de se comunicar precisam do apoio e do trabalho dos comunicadores empresariais para ganhar confiança e encarar as emoções envolvidas num diálogo face a face, desde um simples “obrigado pelo trabalho bem feito” até uma demissão.
A tecnologia não substitui o contato humano presencial cujas reações, anseios, linguagem corporal e afetos sempre serão um grande desafio, mas ela contribui muito na disseminação desse tipo de informação, permitindo atingir uma quantidade maior de colaboradores.

O mundo mudou para todo mundo.

Sabendo da importância da Comunicação Interna nas empresas, a Ação Integrada e a SocialBase realizaram uma pesquisa com profissionais de comunicação interna de mais de 200 empresas do Brasil, que foram classificadas em pequenas (até 100 funcionários), médias (até mil) e grandes (mais de mil).

Segundo 21% dos pesquisados o principal desafio para 2017 será o fortalecimento da liderança comunicadora.

Sobre a migração de canais impressos para canais digitais, 44% dos entrevistados devem diminuir, cortar ou nem investir em mídia impressa. Por outro lado, 49% vão aumentar ou manter o investimento em canais digitais de comunicação interna.
Nas grandes empresas, os canais digitais que mais receberão investimento de tempo e dinheiro serão a TV Corporativa (22%) e em seguida o APP para Smartphone (20%).

Nas médias e pequenas empresas 53% dos entrevistados disseram que pretendem aumentar a frequência de estímulos de comunicação interna. Nas grandes empresas, porém, a maioria 48% manterá a frequência atual.
Os três principais temas que devem permear com maior frequência na comunicação com os colaboradores – ou a manutenção dela – são: benefícios e programas de RH (14%), objetivos e estratégias da empresa (13%) e cultura (10%).
Para manter esses assuntos na comunicação formal e informal junto aos colaboradores, as empresas darão mais foco aos multiplicadores, já que 20% delas vão aderir a essa estratégia e 53%, intensificar o uso desse grupo como porta-vozes.

Com isso a Comunicação Interna se torna a cada ano, mais importante e indispensável no mundo corporativo.